Futuro

“– Tens de pensar no futuro! Quem vive apenas o presente não vai a lado nenhum…”.



Velhinho ditado muito usado, sensato e prático; mas muitas vezes mal interpretado.
O futuro é tão indefinido como uma manhã de nevoeiro. Denso e incerto que nos deixa indecisos sobre o que fazer.
Mas o futuro começa no presente, e naquele pequeno passo que damos contra o nevoeiro que, lentamente, o começa a dispersar e a delinear o caminho.

O Futuro não existe; só o presente.

De facto, uma decisão tomada agora, trará um presente diferente mais tarde; com todas as coisas boas e más que daí advêm.
Quando decidimos o quotidiano das nossas vidas devemos ter sempre em consideração como afectará o nosso futuro.

A questão põe-se em saber o que é exactamente o Futuro.
Ora, como já disse, o Futuro não existe.
O Futuro é simplesmente o presente que passa por nós.
O Futuro é um conjunto de vários presentes que poderemos viver;
É uma hipótese para um possível presente.

Normalmente pensamos no Futuro como uma esperança; não o vemos, não tem dono, mas sonhamos e suspiramos por ele.
Formulamos um desejo sobre o que queremos que o nosso presente venha a ser.
O Futuro é a estruturação lógica do nosso presente ao longo do tempo vindouro.
Por isso pensamos no nosso presente em adiantado.

Logo, se pensarmos no presente como um acto contínuo, o nosso Futuro está garantido.

“Viva o presente que se avizinha”

1 comentário:

Joao disse...

É como se vivêssemos numa peça de teatro, apenas com temas a seguir e tudo o resto fosse uma questão de improviso.