Palavras Inertes


As palavras são inertes; não valem rigorosamente nada….
São apenas tinta num fundo branco, parados no tempo sem fazerem sentido.
São simples aglomerados de letras separados por pequenos espaços vazios.

As palavras são inertes para quem não as consegue interpreta-las.
São meros rabiscos numa arte mais matemática do que poética.

Mas quando aprendemos a decifrar este código estranho,
Quando tomamos consciência deste outro mundo escrito;
Algo acontece nas nossas mentes:

As palavras deixam de ser apenas desenhos para saltarem do papel para a nossa fantasia.
Identificarmos uma sequência de letras e logo a nossa mente visualiza o objecto como se real ele fosse.

É aí que as palavras tomam vida;
Objectos e formas nascem no nosso cérebro devido á grande imaginação humana:
Ao lermos um texto, imediatamente visualizamos lugares, paisagens e mesmo situações.
Pequenas sequências cinematográficas visuais que existem na nossa cabeça.
É tão fácil identificar coisas do nosso dia-a-dia em poucas palavras.

Mas a coisa torna-se verdadeiramente interessante quando, para além dos conceitos básicos, passamos a expressar opiniões e sentimentos.

Ao exprimirmos uma emoção, estamos a exteriorizar um estado de espírito;
Transformamos um sentimento abstracto numa palavra concreta;
Reduzimos o infinito a uma dimensão real.

Ao adjectivar algo estamos a exprimir uma opinião;
Pois a noção de grande ou pequeno depende do ponto de vista de cada um.

É; a Linguagem é o melhor tesouro que temos;
É tão rica em palavras e significados quanto quisermos.

Coisa uma coisa estranha; isto da Linguagem:
Cada palavra contém, dentro de si, uma quantidade enorme de significados diferentes;
Mas cada conceito tem várias palavras que o identificam.
No entanto, muitas vezes, são necessárias muitas palavras para explicar uma coisa só…
E nem sempre chega.

Então recorremos aos adjectivos, advérbios e expressões,
Somente para qualificar um único e bastante simples substantivo comum.

Conjugamos os verbos em todas as suas formas e feitios;
Para explicar definitivamente uma acção inexplicável.

Usamos a poesia, berço da arte,
Pois sem ela não haveria,
Nem amor nem magia.

Criamos pois palavras, e novas formas de expressão,
S3mpr3 p n0s 3nt3nd3r bue d m3lh0r… J

Ah! Parece ilusionismo quando conseguimos exprimir os mais íntimos sentimentos apenas com meras palavras.
Parece um truque; pois tanta emoção não cabe apenas num círculo tão fechado como a escrita.
Parece existir uma disparidade enorme entre a complexidade da nossa mente e a simplicidade das palavras.
Um universo infinito e em constante mutação; frente a um conjunto de palavras finitas e imóveis.
Uma batalha intemporal sem princípio nem fim….

No entanto, conseguimos sempre esse milagre;
De exprimir o irreal no real das palavras;

É esse o Dom da humanidade:
De transformar o impossível num possível acessível.

De qualquer das formas existe uma palavra que, essa sim, é inerte.
Ela é: “COMENTEM!”

2 comentários:

Pedro Guedes Fonseca disse...

Muito obrigado por deixar um comentário.
Só pelo facto de abrir esta janela já significa que as palavras não são inertes. Tem significado!

Obrigado pela visita.

nessita* disse...

As palvras têm muito significado, quando escritas com sentimento e o que sinto ao ler este blog é um sentimento muito forte a cada palavra....